juros no crédito imobiliário

Entenda sobre a nova taxa de juros no crédito imobiliário

Comprar um imóvel para morar ou investir é o sonho de muitos brasileiros. Com a recente redução dos juros no crédito imobiliário, a tendência é que haja aquecimento do mercado com um cenário favorável para novos negócios.

Mas antes de você planejar qualquer financiamento em longo prazo, é essencial conhecer as mudanças que ocorreram. Leia o artigo a seguir e saiba mais sobre os novos juros do mercado imobiliário.

Como funciona o financiamento imobiliário

As linhas de financiamento de crédito imobiliário formam parcelas de pagamento conforme porcentagens do valor financiado e correções baseadas na Taxa Referencial (TR), que atualmente se encontra zerada.As condições variam segundo a instituição financeira, o prazo de financiamento e o valor.

Este último é ainda mais relevante porque há dois sistemas: SFH (Sistema Financeiro de Habitação) e SFI (Sistema de Financiamento Imobiliário).

No SFH, os financiamentos vão até R$1,5 milhão e podem utilizar os recursos do FGTS e da poupança. Já no SFI, os valores são maiores e os recursos do financiamento são provenientes dos próprios bancos, por isso costumam ter taxas de juros mais altas.

Outro ponto é que costuma-se usar o SAC (Sistema de Amortização Constante), no qual as prestações começam com valores mais altos e diminuem conforme o tempo.

Mudanças de juros no crédito imobiliário

Com a queda da taxa básica de juros (Selic) para 6%, eles também foram reduzidos no crédito imobiliário, o que permitiu a oferta de novas oportunidades.

A Caixa Econômica Federal, por exemplo, atua com variação da TR e taxas de 8,5% a 9,5% ao mês do valor financiado. Com a mudança dos juros no crédito imobiliário, os novos contratos passam a ter de 2,95% a 4,95% ao mês, acrescidos do valor de correção, que passa a ser contabilizado segundo o IPCA, atualmente em 3,43%.

Além disso, as taxas de SFH e SFI foram igualadas, o que significa que é possível comprar imóveis de maiores valores com taxas de juros iguais às de financiamentos mais baixos. Também passou-se a considerar a Tabela Price como modelo de elaboração de prestações, com parcelas fixas e não mais com valores altos que vão diminuindo.

Essas medidas não se limitaram à Caixa Econômica Federal. Os outros bancos também adotaram juros iguais para SFH e SFI e seguiram a linha de redução de juros, com taxas que variam de 7,45% a 7,99%, dependendo da instituição financeira.

Vantagens e escolha do financiamento

Diante de mudanças tão positivas, são diversas as vantagens para você investir:

  • a melhoria do cenário econômico permite a perspectiva dos juros continuarem caindo, o que favorece o investimento em longo prazo;
  • com uma nova forma de calcular a correção, é possível organizar melhor o orçamento, sem precisar assumir prestações muito altas de início.;
  • para aqueles que temem possíveis oscilações na inflação, o que altera o IPCA, é possível optar pelo modelo antigo de taxas fixas, conforme o financiamento;
  •  taxas de SFH e SFI iguais permitem uma escolha maior e melhor de imóveis;
  • os bancos estão estabelecendo possibilidade de portabilidade, o que também proporciona maior concorrência e melhores condições para o investidor.

Com tudo isso, é essencial que você considere diversos fatores para realizar um bom financiamento. Primeiramente conhecer sua renda e quanto é seguro você investir, porque o compromisso do financiamento é longo.

Em seguida, estabelecer o valor adequado e possível para a compra do imóvel dos seus sonhos, de acordo com o compromisso financeiro que você pode assumir. Com essas informações, você deve pesquisar todas as condições que os bancos oferecem. Desde as taxas de juros e prazos, fique atento com os contratos!

A queda dos juros no crédito imobiliário é uma situação atraente para quem quer adquirir um imóvel. Entretanto, é preciso observar o panorama das taxas, já que a compra do imóvel envolve a sua situação financeira e a do mercado imobiliário. Por isso, conte com a ajuda de um especialista para saber se é o momento certo para investir.

Gostou da matéria? Veja também por que você não deve negociar sem a ajuda de um corretor!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.
Ops! Captcha inválido, por favor verifique se o captcha está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.